Cotações
Ver todas

18 de agosto de 2015

Visitas a ministérios para debater drawback do cacau são aprovadas na Comissão de Agricultura

comissao agricultura 18 ago 15

Os deputados da Comissão de Agricultura e Política Rural da ALBA (Assembleia Legislativa da Bahia) aprovaram por unanimidade, na sessão desta terça-feira (18), audiência pública para debater a crise no mercado do cacau, mais especificamente o drawback, e visita aos ministérios da Agricultura e da Indústria e Comércio Exterior.

A proposta da audiência foi do deputado estadual Pedro Tavares e apoiada por Eduardo Salles, que acrescentou a necessidade de aprovação também da visita dos parlamentares à ministra da Agricultura, Kátia Abreu, o ministro da Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, e o presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), João Martins.

“O modelo atual do drawback tem de ser revisto imediatamente, pois tem causado grandes prejuízos aos produtores. A produção hoje praticamente supre a demanda e os modelos de estimativa de safra melhoraram muito. O estoque do produto tem causado desequilíbrio e deixado o cacau com falta de liquidez, algo que nunca ocorreu na história”, alertou Eduardo Salles.

As datas da audiência pública e das visitas aos ministérios serão definidas ainda pela Comissão de Agricultura.

NOTA DE REPÚDIO
A pedido de Eduardo Salles, os parlamentares da Comissão de Agricultura aprovaram por unanimidade Nota de Repúdio à Nestlé. A empresa enviou carta ao colegiado informando que não iria à ALBA prestar esclarecimentos sobre o fechamento da unidade secadora de leite instalada em Itabuna.

“A Nestlé recebeu incentivos fiscais do Estado e agora fecha a unidade secadora de leite sem aviso. A empresa debocha da Comissão de Agricultura, da ALBA e da Bahia com essa postura”, reclamou Eduardo Salles.

“Um representante esteve no início do ano com o secretário estadual de Agricultura, Paula Câmera, e negou que fecharia a unidade secadora de leite. Mas descumpriram a promessa. Essa atitude vai prejudicar muito a cadeia produtiva do Estado”, acrescentou o parlamentar.

Comentários