Cotações
Ver todas

Notícias

Mostrando notícias publicadas com o assunto "FIEB"

27 de junho de 2016, 09:48

Turno extra no Senado para aprovação do novo texto do Supersimples acontece nesta terça-feira

IMG-20160616-WA0020-1024x768

Os senadores devem votar nesta terça-feira (28), por se tratar de um substitutivo, o turno extra do projeto que atualiza as regras para enquadramento do Supersimples. O texto base foi aprovado no último dia 21. O adiamento ocorreu porque Ronaldo Caiado (GO) pediu mais tempo para analisar os últimos ajustes e as emendas apresentadas.

Como houve alteração, a matéria volta à análise da Câmara dos Deputados, caso ocorra nesta terça-feira a aprovação definitiva no Senado.

No último dia 14 de junho, data em que estava marcada a votação do projeto, o deputado estadual Eduardo Salles, presidente da Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa da Assembleia Legislativa da Bahia, e o vice-presidente da FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia) e presidente do COMPEM (Conselho das Micro e Pequenas Empresas), Carlos Gantois, foram a Brasília solicitar aos senadores baianos Otto Alencar, Roberto Muniz e Lídice da Mata a ajuda na aprovação da matéria.

“Acredito que a atualização do Supersimples vai permitir a este setor, fundamental na geração de emprego no país, ganhar fôlego e seguir criando postos de trabalho”, disse Eduardo Salles.

Eduardo Salles e Carlos Gantois também conversaram com a senadora Marta Suplicy, relatora do projeto. A Frente Parlamentar, a FIEB e o COMPEM contribuíram na formação do texto de atualização do Supersimples no parágrafo 2 do artigo 24.

A contribuição vai permitir às micro e pequenas ter acesso a incentivos ficais além dos contidos no Supersimples, desde que sejam empresas com ação exportadora e acesso a mercados internacionais.

O texto proposto pela senadora Marta Suplicy eleva de R$ 60 mil para R$ 72 mil as faixas de renda bruta anual necessárias para que empresas e microempreendedores individuais se encaixem no programa. Também suaviza a progressividade da tributação sobre os participantes. Além disso, dobra o prazo de refinanciamento das dívidas tributárias dos micro e pequenos empresários.

O limite máximo de renda para uma empresa pertencer ao Supersimples, que atualmente é de R$ 3,6 milhões, é elevado para R$ 4,8 milhões, em vez dos R$ 14 milhões do texto original. A Receita Federal aceitou dobrar o prazo do refinanciamento para 120 meses.

16 de junho de 2016, 11:27

Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa e FIEB contribuem com texto de atualização do Supersimples

IMG-20160616-WA0020

Marcada para ocorrer nesta quarta-feira (15), a votação no Senado do substitutivo do PLC (Projeto de Lei Complementar) 125/2015, para a atualização do Supersimples, programa de tributação simplificada para micro e pequenas empresas, de autoria da senadora Marta Suplicy, foi adiada para terça-feira (21) após a bancada do PSDB pedir tempo para analisar o texto.

O deputado estadual Eduardo Salles, presidente da Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa da Assembleia Legislativa da Bahia, Carlos Gantois, vice-presidente da FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia) e presidente do COMPEM (Conselho das Micro e Pequenas Empresas), e João Schnitman, diretor da FIEB, foram a Brasília nesta quarta-feira acompanhar a votação e conversar com os senadores.

Eduardo Salles classifica o novo texto como “fundamental” para ajudar as micro e pequenas empresas neste momento de crise econômica. “Como presidente da Frente Parlamentar na Assembleia Legislativa, tinha a obrigação de vir a Brasília acompanhar a votação porque acredito que a atualização do Supersimples vai permitir a este setor, fundamental na geração de emprego no país, ganhar fôlego e seguir criando postos de trabalho”, declarou o parlamentar.

Durante a quarta-feira, Eduardo Salles, Carlos Gantois e João Schnitman tiveram audiências em Brasília com os senadores baianos Roberto Muniz, Lídice da Mata e Otto Alencar para mostrar a importância da aprovação da atualização do Supersimples. No plenário do Senado, o trio se reuniu com a senadora Marta Suplicy.

Carlos Gantois lembra que a contribuição efetiva dos membros da FIEB, COMPEM e Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa permitiu a inclusão do parágrafo 2 do artigo 24 no texto de atualização.

A contribuição vai permitir às micro e pequenas ter acesso a incentivos ficais além dos contidos no Supersimples, desde que sejam empresas com ação exportadora e acesso a mercados internacionais.

O texto proposto pela senadora Marta Suplicy eleva de R$ 60 mil para R$ 72 mil as faixas de renda bruta anual necessárias para que empresas e microempreendedores individuais se encaixem no programa. Também suaviza a progressividade da tributação sobre os participantes. Além disso, dobra o prazo de refinanciamento das dívidas tributárias dos micro e pequenos empresários.

O limite máximo de renda para uma empresa pertencer ao Supersimples, que atualmente é de R$ 3,6 milhões, é elevado para R$ 4,8 milhões, em vez dos R$ 14 milhões do texto original. A Receita Federal aceitou dobrar o prazo do refinanciamento para 120 meses.

13 de junho de 2016, 11:38

Atualização do Supersimples é analisada como positiva por Eduardo Salles

Simples-Nacional-6

O Senado deve votar ainda nesta semana a atualização do Supersimples, programa de tributação simplificada para micro e pequenas empresas. A Casa aguarda apenas o envio das análises e sugestões dos governadores, marcado para ocorrer nesta segunda-feira (13).

O documento entregue aos governadores, na última quarta-feira (8), pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, apresenta substitutivo ao PLC 125/2015, que atualiza o Supersimples.

O presidente da Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa da Assembleia Legislativa da Bahia, o deputado estadual Eduardo Salles enxerga vantagens na aprovação do texto. “Ele suaviza a progressividade da tributação e dobra o prazo de refinanciamento das dívidas tributárias dos micro e pequenos empresários. Essas medidas são importantes para que esses negócios retomem o crescimento neste momento difícil para a economia brasileira”, analisa.

Na quarta-feira (15), o parlamentar vai a Brasília com o vice-presidente da FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia), Carlos Gantois, para audiências com os senadores baianos Roberto Muniz, Lídice da Mata e Otto Alencar para falar sobre a importância da aprovação do texto.

O texto eleva as faixas de renda bruta anual necessárias para que empresas e microempreendedores individuais se encaixem no programa. Também suaviza a progressividade da tributação sobre os participantes. Além disso, dobra o prazo de refinanciamento das dívidas tributárias dos micro e pequenos empresários.

O limite máximo de renda para uma empresa pertencer ao Supersimples, que atualmente é de R$ 3,6 milhões, é elevado para R$ 4,8 milhões, em vez dos R$ 14 milhões do texto original. A Receita Federal cedeu na negociação das dívidas tributárias e aceitou dobrar o prazo do refinanciamento para 120 meses.

 

07 de junho de 2016, 07:37

Sessão Especial na Assembleia Legislativa homenageia cadeia produtiva do charuto

producao-de-charutos

O plenário da ALBA (Assembleia Legislativa da Bahia) recebe, nesta quinta-feira (09), a partir das 14h, Sessão Especial em Homenagem à Cadeia Produtiva do Charuto, proposta pelo deputado estadual Eduardo Salles. “Nossa intenção é valorizar o charuto do Recôncavo e lembrar da sua importância na economia baiana”, diz o parlamentar.

O evento é organizado em parceria com o Sinditabaco (Sindicato das Indústrias do Tabaco da Bahia), que estima que o estado produza 15 milhões de unidades de charuto por ano. “O tabaco é o principal segmento do Recôncavo baiano, gerando 14 mil empregos diretos e indiretos, além de ser o maior empregador de mulheres da região”, conta o diretor do Sinditabaco, Marcos Augusto Souza.

Cerca de 30% da produção é exportada para países da América do Sul e Europa. Por ano, a produção de charutos movimenta R$ 90 milhões na Bahia.

A sessão especial contará com a presença de representantes e funcionários de empresas e exportadoras do setor, autoridades e do vice-presidente da FIEB (Federação das Indústrias da Bahia), Carlos Gantois. Durante o evento, o deputado Eduardo Salles irá prestar homenagem a uma charuteira, um agricultor, um armazenista e um fabricante de charuto.

Quando ocupou o cargo o cargo de secretário estadual de Agricultura, Eduardo Salles conseguiu trazer ao Recôncavo uma missão do governo chinês para comprovar que a região era área livre do mofo azul, doença que afeta a cultura do fumo.

“Nos tornar área livre do mofo azul permitiu que o charuto produzido no Recôncavo pudesse ser exportado para a China”, lembrou o parlamentar.

12 de maio de 2016, 16:30

Presidentes de frentes parlamentares assumem compromisso de trabalharem em sintonia

POSSE DA FRENTE PARLAMENTAR (32)

Presidente da Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Eduardo Salles fez questão de participar, na manhã desta quarta-feira (11), no plenário da Casa, da cerimônia de posse dos membros da Frente Parlamentar da Indústria Baiana, que vai ter à frente o parlamentar Nelson Leal.

Durante a cerimônia, os dois parlamentares assumiram o compromisso de realizarem ações conjuntas entre a Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa e a Frente Parlamentar da Indústria Baiana.

“Grande parte do setor industrial baiano é composto de micro, pequenas e médias indústrias que serão atendidas pelas duas frentes parlamentares. Tenho certeza que a relação de amizade que tenho com Nelson Leal se estenderá à defesa dos interesses deste segmento”, declarou Eduardo Salles.

Nelson Leal acredita que a indústria baiana precisa de representação na Assembleia Legislativa porque o setor tem diminuído sua participação no PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e baiano. “No Nordeste, representávamos 33% do PIB. Hoje respondemos por apenas 26%”, disse.

Ricardo Alban, presidente da FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia), citou como exemplo de ações necessárias ao desenvolvimento o investimento em infraestrutura, a reforma tributária e o debate das questões ambientais como pontos que merecem atenção especial da Frente Parlamentar da Indústria Baiana.

“Precisamos recuperar o tempo perdido, mas precisamos ser propositivos para sermos ouvidos”, disse Alban. O presidente da FIEB declarou ainda que deseja parceria com a Frente Parlamentar da Micro, Pequena e Média Empresa. “Vamos interagir bastante com Eduardo Salles”, prometeu Alban.

Junto com Eduardo Salles e Nelson Leal, compuseram a mesa da cerimônia os deputados Sandro Régis, Carlos Geilson, Adolfo Viana, Pablo Barrozo, Leur Lomanto, Zé Neto, Maria del Carmen e Robinho, que compõem a Frente Parlamentar, além do secretário estadual de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, do secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Manoel Mendonça, e do presidente da Associação Comercial da Bahia, Luiz Fernando Studart.