Cotações
Ver todas

18 de dezembro de 2015

Salvador sedia encontro nacional de gestão de recursos hídricos

bacias_Hidrograficas

Em 2016, Salvador vai sediar pela primeira vez o Encontro Nacional de Comitê de Bacias Hidrográficas, lançado oficialmente nesta quarta-feira (16), em cerimônia realizada no auditório da Secretaria estadual de Infraestrutura (Seinfra), no Centro Administrativo da Bahia (CAB). Para a 18ª edição do evento, que acontece de 3 a 7 de julho de 2016, já começaram a ser definidas pautas de discussão e detalhes técnicos, com temas de palestras e mesas de debate que envolvem a participação de todos os estados brasileiros, de mais de 150 comitês e cerca de 1.500 pessoas.

Organizado pela Secretaria estadual do Meio Ambiente (Sema) e com o tema “A Gestão de Águas acontece aqui”, o evento tem apoio de outras secretarias e órgãos do governo estadual e reúne as principais lideranças na gestão de recursos hídricos no país. Segundo o secretário da Sema, Eugênio Spengler, a ideia é trocar experiências e estabelecer, juntos, metas e dificuldades a serem superadas no setor. “Isso aqui é, antes de tudo, um exercício de aprendizado do que já vem sendo feito no Brasil, de experiências de sucesso, e uma oportunidade para mostrar os nossos desafios. O tema água é estruturante para qualquer política de estado realizada na Bahia e por isso apoiamos e acompanhamos essa discussão de perto”, contou o secretário.

No Brasil são 233 comitês de bacias hidrográficas, 14 delas na Bahia. Cabe a cada comitê a função de gerir, discutir, mediar conflitos sobre recursos hídricos e se reunir no Fórum Nacional de Comitês, que é o responsável por organizar o encontro. Para os coordenadores deste fórum, Affonso Albuquerque Junior e Luis Carlos Souza, cabe também a essas entidades alertar e sensibilizar o poder público quanto à criação de uma agenda política relacionada à água. “Essa agenda faz parte de um processo de melhoria de gestão de recursos hídricos, porque percebemos que os gestores não vêm a água com a mesma importância que os ambientalistas, por exemplo, e é necessária esse tipo de atenção”, explicou Luis Carlos.

Representante do Comitê da Bacia Hidrográfica do Leste baiano, Maria Lúcia Brito, acredita que na Bahia é necessário um diálogo ainda maior com as administrações municipais, para que haja um controle maior na utilização dos recursos hídricos, mais localizado e regionalizado, que pode ser resultado da parceria entre as gestões estadual e municipal. “Temos uma dificuldade, por conta da extensão do estado, de controlar e acompanhar a utilização dos recursos hídricos baianos. Acredito que uma união de forças do Governo do Estado com as prefeituras, que precisam estar mais engajadas, faria esse trabalho ficar facilitado. Essa é uma questão prioritária para a população, uma questão de saúde pública também”, explicou Maria Lúcia.

Fonte: Secom Bahia

Comentários