Cotações
Ver todas

09 de setembro de 2015

Desempenho da agropecuária evita queda maior do PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul apresentou uma taxa negativa de 0,6% no segundo trimestre de 2015, na comparação com o mesmo período do ano passado. A informação foi divulgada na manhã desta quarta-feira, 9, pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). Essa é a quinta queda consecutiva, que só não foi maior em função do desempenho positivo da agropecuária.

Conforme a FEE, a variação quase nula do Valor Adicionado Bruto (VAB) (-0,1%) deve-se ao crescimento significativo da agropecuária (15,6%), que minimizou o impacto da grande queda dos outros setores. Os dados ainda apontam que os impostos caíram 4,8% em decorrência da acentuada diminuição da queda da indústria (-9,1%) e da redução dos serviços (-1,2%).

O aumento da produção de soja em 20,4%, com a colheita concentrada no trimestre, foi o principal fator que assegurou o crescimento de 15,6% do VAB da agropecuária gaúcha. O resultado pode ser considerado ainda mais positivo porque se deu sobre o nível elevado de produção de 2013 e 2014. O desempenho da soja foi decorrente da ampliação de área e do grande crescimento da produtividade observado em 2015.

PIB do semestre em relação ao mesmo período de 2014

A taxa acumulada ao longo do ano, correspondente ao primeiro semestre de 2015, teve uma redução de 0,9%. Em sua composição, os impostos caíram 4,0%, e o VAB reduziu-se em 0,5%. Da mesma forma que na taxa trimestral, a agropecuária foi o único setor com taxa positiva no semestre (9,7%), com a indústria caindo 8,2% e os serviços variando negativamente 0,4%. Em relação à taxa acumulada em quatro trimestres, o Produto Interno Bruto gaúcho também apresentou queda de 0,9%.

Comentários