Cotações
Ver todas

19 de maio de 2015

Deputado luta para efetivar concurso público para a CEPLAC

Com o intuito de recompor o quadro técnico da CEPLAC (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira), o deputado estadual Eduardo Salles busca o apoio de colegas da Assembleia Legislativa da Bahia, deputados federais e senadores de diversos estados para que seja efetivado concurso público para o órgão.

Nesta terça-feira (19), quando começou a pedir o apoio dos demais parlamentares, Eduardo Salles conseguiu 51 assinaturas dos 63 deputados da Casa. A intenção é conseguir chegar às 63 assinaturas antes de ir à Brasília, quando vai peregrinar no Congresso e no Senado para fortalecer o pleito.
“Um dos principais problemas que a CEPLAC enfrenta atualmente é a perda da força de trabalho”, explicou Salles. O último concurso para a admissão de servidores ocorreu em 1987, quando foram convocados apenas 233 funcionários. “São 28 anos sem reposição de pessoal e isso causa danos irreparáveis nas atividades da CEPLAC”, completou o deputado.

Atualmente, o órgão funciona com 1.799 servidores ativos, número que causa grande contraste quando comparado aos 4.383 servidores entre os anos de 1980 e 1985. Desses 1.799, aproximadamente 63%encontram-se em abono permanência, prontos para a aposentadoria. Para reverter a situação, Eduardo Salles iniciou a coleta de assinaturas para enviar um ofício à Presidente da República e aos Ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Agrário, Planejamento e Desenvolvimento Social, solicitando o concurso público.

“Quando devidamente estruturada, a CEPLAC poderá dar continuidade ao seu excelente trabalho em prol do desenvolvimento social, econômico e ambiental da maioria dos municípios das regiões onde atua”, disse o deputado. “A CEPLAC foi construída com recursos dos produtores e tem um papel fundamental na garantia de que o homem permaneça no campo, evitando o êxodo rural que tanto assolou a região cacaueira”, completou. Além da Bahia, a CEPLAC também atua no Espírito Santo, Amazonas, Pará, Rondônia e Mato Grosso.

Comentários